JOLY BRAGA SANTOS
Quarteto com Piano op. 26
Trio com Piano op. 58
Sexteto de cordas op. 59

Aníbal Lima, violino
Cecília Branco, violino
Leonor Braga Santos, viola
António José Miranda, viola
Paulo Gaio Lima, violoncelo
Irene Lima, violoncelo

Quarteto com Piano op. 26
Aníbal Lima, violino
Leonor Braga Santos, viola
Paulo Gaio Lima, violoncelo
António Faca Rosado, piano

Trio com Piano
Aníbal Lima, violino
Paulo Gaio Lima, violoncelo
António Faca Rosado, piano

Sexteto de cordas op. 59
Aníbal Lima, 1.º violino
Cecília Branco, 2.º violino
Leonor Braga Santos, 1.ª viola
António José Miranda, 2.ª viola
Irene Lima, 1.º violoncelo
Paulo Gaio Lima, 2.º violoncelo

BandeiraInglaterraJoly Braga Santos is remembered, above all, for his magnificent orchestral output, but he also left a substantial amount of chamber music in which his generous lyricism finds apt expression. This lesser-known facet of his oeuvre is illustrated in the present recording.
Born in Lisbon on May 14, 1924, Braga Santos studied at the National Conservatory and completed the core of his compositional training as a private student of Luís de Freitas Branco (1890-1955). His catalogue of works, begun in 1946, was marked by the premiere of his First Symphony: at age 22, Braga Santos, the innate symphonist, was revealed. The first phase of his output, which lasted nearly two decades, is situated within a modal idiom, having historical roots in Portuguese Renaissance polyphony as well as traditional Portuguese music, particularly that of Alentejo.
Between 1959 and 1960 Braga Santos studied in Rome with Virgilio Mortari and Gioacchino Pasqualini. Contact with new aesthetic currents contributed to a shift in his musical language towards the direction of a free chromaticism that was very near to atonality. Although he incorporated aspects of the avant-garde, he never abdicated his personal, essentially lyric style, which was based on a melodic and rhythmic élan.
Beginning in the 1970’s and continuing until his death (which occurred in Lisbon, on July 18, 1988) his music at times approached tonal and modal idioms in a spirit of synthesis that could be viewed as his “third phase.”
The vast output of Joly Braga Santos includes three operas, six symphonies, various symphonic and concertante pieces, vocal and choral music, as well as chamber music and music for cinema.

Completed in 1957, the Quartet with Piano, op. 26, exhibits a generally modal language and belongs to the first phase of the composer’s output. A concern for individualizing each instrumental part – so typical of the expansive personality of the young Braga Santos – dominates this score, creating vast contrapuntal webs. The work provides a rather personal example of the “condensation of form,” that is, of the integration of multiple movements into one cohesive structure. In a single breath, the composer incorporates various slower tempos within a generous Allegro in sonata form. Beginning in a radiant D Major, the main theme is launched, in unison, by the strings, using large intervals to carve a vibrant gesture; that theme will reappear, ipsis verbis, in key moments of the work, clarifying its structure. In counterpoint with this theme is a second, lyrical and tender one, presented by the piano and supported with clear harmonies from the Lydian mode in F. Like its predecessor, this theme functions as a cyclic element. The work is dedicated to the Lisbon Quartet, who gave its premiere in Würzburg in June 1957: Leonor Prado (violin), François Broos, viola, Mario Camerini (violoncello) and Nella Maissa (piano).

The Trio with Piano, op. 58, was composed nearly thirty years later, in 1985, and could not provide greater contrast. Its three movements, in the somewhat unusual sequence of slow-fast-slow, pointedly illustrate the tension between diatonicism and chromaticism which intensified during the composer’s final phase. The opening Largo begins with chords of perfect fifths and a pentatonic piano melody whose transparency quickly gives way to dense polytonal chords in the piano, accompanying the chromatic dialogue of violin and violoncello like an inexorable peal of bells. After a tense evolution during the central part, the same transparency reappears, with the strings and piano exchanging roles. The second movement, Allegro, illustrates the type of continuous development championed by the composer since his great stylistic change in the 1960’s: four principal themes interlace and entwine to form a mosaic in constant mutation, whose incandescent energy will only be extinguished with the purifying final chord – the only consonance in this diabolic moto perpetuo. The exhausted calm of the Adagio finale emerges as a logical continuation, with a slowness that renders the return of the initial texture of the Allegro unrecognizable. A lyrical anxiety emerges in this triple-metered movement, whose duration is greater than that of the previous two combined. It concludes by unleashing the most diatonic section of the entire work – but this tonal nostalgia extinguishes itself in the end, as if turned to stone at the conclusion. Completed in August of 1985, this trio was premiered in the Grand Auditorium of the Gulbenkian Foundation on May 20, 1986 by the Mirecourt Trio, the very group who had first suggested that the work be written: Kenneth Goldsmith (violin), Terry King (violoncello) and John Jensen (piano).

The String Sextet op. 59, completed in March of 1986, is one of the finest fruits from the last phase of Braga Santos’s output. Conferring a nearly orchestral pungency on the instrumental formation celebrated by Brahms and Schönberg, the work employs a free chromaticism tinged with “splinters” of tonal ingredients. The initial Molto largo, itself in three parts, begins with an ostinato interlaced with dolorous melodies. After a central part that provides contrast through its overall rhythmic stasis, a varied reprise dilutes into pianissimo. The rhythmic vitality of the second movement, Allegro ben marcato, has the function of a scherzo, but, since it is a sonata form movement that has several themes in continuous metamorphosis, its atmosphere remains charged. The third movement has an Andante introduction that again retakes the initial thread of the work; it is followed by an enigmatic transition based on the sound of string harmonics. Finally, an Allegro appears: one that obstinately explores oscillations between binary and ternary rhythms in a continuously transforming theme. After an abbreviated recapitulation of this sonata form, a torrent of spiccato notes unleashes a final luminous and cathartic chord – one of the composer’s characteristic gestures. Dedicated to Alberto Lysy, this sextet was premiered in 1986 at the Festival of the Algarve XI, in an orchestral version performed by the Gulbenkian Orchestra. The premiere of the original version, which remained unheard by Braga Santos, was given on July 10, 1989 at the National Theatre of São Carlos, by Alexandra Mendes, Vasco Broco (violins), Leonor Braga Santos, Jorge Lé (violas), Clélia Vital and Paulo Gaio Lima (violoncellos). For a devoted father like Joly Braga Santos, the fact that his youngest daughter was among these interpreters – and also performs on the present recording – must have been a great source of pride.

Alexandre Delgado

bandeira_portugalJoly Braga Santos é recordado sobretudo pela sua pujante produção sinfónica, mas deixou também uma quantidade apreciável de obras música de câmara, em que exprimiu muito do seu generoso lirismo. É essa faceta, menos conhecida do que a de sinfonista, que é ilustrada neste disco.
Nascido em Lisboa a 14 de Maio de 1924, Braga Santos estudou no Conservatório Nacional e fez o essencial da sua formação de compositor como aluno particular de Luís de Freitas Branco (1890-1955). O seu catálogo, iniciado em 1942, ficou marcado pela estreia em 1946 da 1.ª Sinfonia: aos 22 anos, Joly revelou-se um sinfonista nato. A primeira fase da sua produção, que durou perto de duas décadas, tem como coordenadas principais um idioma modal, com raízes históricas na polifonia renascentista portuguesa e na música tradicional portuguesa, em especial do Alentejo.
Entre 1959 e 1960 Joly estudou em Roma com Virgilio Mortari e Gioacchino Pasqualini. O contacto com as novas correntes estéticas contribuiu para uma viragem na sua linguagem musical, em direcção a um livre cromatismo próximo da atonalidade, tendo incorporado coordenadas da nova vanguarda sem abdicar dum estilo pessoal essencialmente lírico e baseado no elán melódico e ritmo.
A partir dos anos 70 até à sua morte — ocorrida em Lisboa a 18 de Julho de 1988 — a sua produção teve algumas reaproximações ao tonalismo e ao modalismo, num espírito de síntese que pode ser encarado como uma «3.ª fase».
A vasta produção de Joly Braga Santos inclui três óperas, seis sinfonias, numerosas obras sinfónicas e concertantes, música vocal, coral, de câmara e para cinema.

O Quarteto com Piano op. 26, datado de 1957, pertence ainda à primeira fase da produção do compositor, de linguagem sobretudo modal. Nesta partitura emblemática da personalidade expansiva do jovem Joly sobressai a preocupação de individualizar cada parte instrumental, criando generosas tramas contrapontísticas. A obra oferece um exemplo bastante pessoal de “condensação da forma”, ou seja, da integração de diversos andamentos numa estrutura única e coesa. Num só fôlego, incorpora diversos tempos mais lentos no seio dum amplo Allegro em forma sonata. Partindo dum radioso ré maior, o tema principal é lançado em uníssono pelas cordas, usando grandes intervalos num gesto vibrante; esse tema reaparecerá ipsis verbis em momentos chave da obra, clarificando a estrutura. A ele se contrapõe um segundo tema lírico e meigo, apresentado pelo piano sobre límpidas harmonias do modo lídio, em fá. Tal como o tema anterior, este funciona como semente cíclica. A obra é dedicada ao Quarteto Lisboa, que fez a estreia em Würzburg em Junho de 1957, constituído por Leonor Prado (violino) François Broos (viola), Mario Camerini (violoncelo) e Nella Maissa (piano).

O Trio com Piano op. 58 foi escrito quase trinta depois, em 1985, e não podia oferecer maior contraste. Os seus três andamentos, numa sequência algo inusual de lento-rápido-lento, ilustram com acuidade a tensão entre diatonismo e cromatismo que se exacerbou na fase final da produção do compositor. O Largo inicial abre com quintas perfeitas das cordas e uma melodia pentatónica do piano cuja limpidez depressa dá lugar a densos acordes politonais do piano, acompanhando como badaladas inexoráveis o cromático diálogo de violino e violoncelo. Depois das tensas evoluções da parte central, a mesma limpidez reaparece, com cordas e piano a inverter papéis. O segundo andamento, Allegro, ilustra o tipo de desenvolvimento contínuo defendido pelo compositor a partir da grande viragem estílistica dos anos 60: quatro temas principais cruzam-se e encadeiam-se num mosaico em constante mutação, cuja energia incandescente só se extingue com o purificador acorde final, única consonância deste diabólico moto perpetuo. A quietude exangue do Adagio final surge como a sequência lógica, com uma lentidão que torna irreconhecível o regresso da textura inicial do Allegro anterior. Neste andamento cuja duração suplanta a dos dois primeiros andamentos reunidos, emerge depois fragilmente um anseio lírico, em compasso ternário, que acaba por desabrochar na secção mais diatónica de toda a obra. Mas essa nostalgia tonal acaba por se extinguir, numa conclusão como que petrificada. Concluído em Agosto de 1985, este trio foi estreado no Grande Auditório Gulbenkian a 20 de Maio de 1986 pelo Mirecourt Trio, agrupamento do qual partiu a sugestão de escrever a obra, constituído por Kenneth Goldsmith (violino), Terry King (violoncelo) e John Jensen (piano).

O Sexteto de Cordas op. 59, concluído em Março de 1986, é um dos melhores frutos da fase final da produção de Joly. Conferindo à formação celebrizada por Brahms e Schönberg uma pujança quase orquestral, usa um livre cromatismo tingido de ingredientes tonais como que “estilhaçados”. O Molto largo inicial, de estrutura tripartida, abre com um ostinato e um entrelaçado de melodias de expressão dolorosa. Depois duma secção central que contrasta pelo seu estatismo rítmico, uma reexposição não textual dilui-se em pianíssimo. O segundo andamento, Allegro ben marcato, tem função de scherzo pela vivacidade rítmica, mas a atmosfera é carregada, numa forma sonata com diversos temas em contínua metamorfose. O terceiro andamento tem uma introdução Andante que reata algo do ambiente inicial da obra; segue-se uma transição enigmática, em sons harmónicos. Emerge enfim um Allegro que explora obstinadamente a oscilação rítmica de binário e ternário, num tema em contínua transformação. Depois da reexposição abreviada desta forma sonata, uma torrente de notas spiccato desemboca num acorde final luminoso e catártico, gesto bem característico do compositor. Dedicada a Alberto Lysy, este sexteto foi estreado em 1986 no XI Festival do Algarve, numa versão para orquestra de cordas executada pela Orquestra Gulbenkian. A estreia da versão original, que Joly não chegou a ouvir, deu-se a 10 de Julho de 1989 no Teatro Nacional de São Carlos, por Alexandra Mendes, Vasco Broco (violinos), Leonor Braga Santos, Jorge Lé (violas), Clélia Vital e Paulo Gaio Lima (violoncelos). O facto de a sua filha mais nova figurar entre os intérpretes — também no presente disco — teria sido, para o pai extremoso que foi Joly Braga Santos, o mais forte motivo de orgulho.

Alexandre Delgado
PS 5015

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: